Just another WordPress.com site

Últimas

Falling in love

Nunca foi uma metade, acho que na verdade, sempre foi um terço. Talvez ate menos. Tem sede de lagrimas, das minhas lagrimas. Caem por ela, por isso, as quer de volta. Vestida de branco, quase uma santa. Uma tela sozinha esperando pinceladas de meus resquícios

Quente, entrega sua origem. Fria, deixando claro meu destino. Faz com que eu queira um aconchego para confortar-me. Ai, como ela se diverte! Sua risada, travestida de uma meiguice inexplicável, sequestra meus ouvidos.  E não ouso em pedir resgate.

Levita-me. Meus pés não se importam em trair o asfalto. E faz isso com todos, conquista-os. Tolos, não os culpo. São Jorge lhe deu a lua. Ò curvas belas venham de encontro a mim. Não quero mais ficar sozinho.

Pérola preciosa. Entreguei-lhe rosas, mas seus espinhos não romperam sua proteção. Selada por feitiço de magos egoístas. Um dia ela será minha. Conquistarei seu coração para que ninguém mais possa se atrever e imaginar como seria reinar neste corpo.

Talvez eu seja só mais um corpo para servi-lhe de chão. Seria uma honra ficar sob seus pés. Não me importaria de ser um encosto. Desde que ela possa descansar seu lindo rosto sobre meus ombros.

E não direi que aquele rosto lindo, o qual fazia o vento parecer pesado e meu desejo transcender, foi esculpido por anjos. Porque se tivesse sido, não teria caído em terra. Exuberantes asas completariam sua silhueta.

Todos a querem. Eu a quero. Ela lhe olha fazendo-o acreditar em uma possível posse. É, eu acreditei. Ò sugadora de almas, estou aqui pra você, por você, e espero que um dia, com você.Dar-te-ei meu suspiro, meu sonho. Sim, serei doce.

Já não sei mais o que fazer. Daqui de cima a vejo. Ò deus, perdoe meus pecados e dê-me asas. Vejo uma fada lá embaixo que anda dançando e dança sobre andarilhos. Não usarei as escadas para descer.

Tenho pressa. Em vida, já tentei de tudo. Agora, em morte, minha alma, estará nas nuvens a te vigiar. E meu corpo, esparramado ao vento a te encontrar. Em morte, ofereço-lhe meu coração e sei que não hesitarás em arrancá-lo. Finalmente, assim, me aceitarás e serei seu. E você, querida, minha manta branca.

O verdadeiro amor vindo de você

Você está cansado de todos ao seu redor, eu sei. Daqueles que mais parecem fantasmas. Cínicas projeções de pessoas. Estúpidas imagens, as quais passam através de você sem fazer significativas diferenças. Talvez só um incômodo engraçado.

Daqueles que querem servi-lhe. Dos que usam seus corpos para apoiar-lhe, mas se você cair, acredite, ninguém te segurará. Passaras por pedras frustradas, e por restos de piratas. Não, ninguém acompanhará suas mãos. Desamparadas  e desprevenidas, ruirão.

Não se esqueça daqueles que lhe amam. Apenas não acredite em suas promessas. Não quero nenhum coração, órgão inútil e descarado. Deturpa sua razão, bombeando sonhos para os cantos mais improváveis e para os aconchegos mais inóspitos.

Projeções são feitas aos seus olhos, um futuro feliz, veja! Prende-se aos seus lábios e você sorri, acreditando ter encontrado alguém desprovido de lucidez, o qual o fará quente eternamente. E em meio aqueles ombros, logo, sentirás solidão meu bem. E pela primeira vez verás só as costas.

Por engano, pensarás no fim. Não é o fim. Confie nos seus pés, eles não te decepcionarão. Na companhia de sua sombra, aprenderás que seus ouvidos merecem somente o barulho do mar. E que não há abraço mais reconfortante do que a brisa de uma tarde de domingo.

Ò culto às coisas falsas cessem, por favor. Aprenda que felicidade não respira, não anda, não vê. E só num festim solitário, serás alegre. Só a terra te segurará. E só o céu te receberá. Comemore! Estás finalmente com quem te ama de verdade, você.

One is the loneliest number

http://www.youtube.com/watch?v=UiKcd7yPLdU&feature=related

Não sinto mais as minhas pernas. No cansaço do meu ser, percebo que estarei só. Tentando abraçar o mundo, meus braços romperão. One is the loneliest number. E assim, serei.

Vagando pelas ruas, guardo sorrisos e esqueço histórias. Aguardo um novo chão, um novo sol, um novo céu, um novo ser. De asas não preciso, e se as tivesse, arrancá-las-ia. Pulo. Tento grudar-me no chão. Não sou aceita. Não, não sou.

E pelas minhas incertezas, choro. As lágrimas fazem-me escorregar. Sou expulsa para um novo lar. Assim, vou. Não me amem, por favor, pois quando eu for embora, na minha bagagem terão apenas pedaços, pedaços de sonhos, de simpatias.

Em cada lugar, em todo aconchego, conhecerei novos amores, novos corações a serem arrancados.  Machucados. Meu único prazer. A mim são dadas as chaves. Doadas, sem querer.

A morte já não existe mais, algo parecido necrosará você. A falta. A saudade de mim. E me quero. Também. E a mim, caberá a decisão. Se me prenderei aqui, ou se flutuarei. Uma parte para cada lado. Um pouco de mim em cada canto. Agora, já em  pedaços, continuarei.

Borboletas no estômago

Talvez seja medo, talvez seja ansiedade. Curiosidade. Sim, curiosidade.Saber como seus olhinhos se expressam ao sair palavras doces de sua boca. E para falar a verdade, a última coisa que quero é que você fale.

Eu sei como você é. Até rio das suas bobagens e manias. E sei que você me conhece muito bem. Agora, meu amor, está na hora de nos conhecer, juntos. Que nossas mãos se encaixem perfeitamente, e finalmente, nosso coração irá juntar nossos corpos. E como sonhamos com isso!

Antes, a cada dia que passava, estávamos mais próximos. Agora, a cada passo.Você me deixa nos ares, e eu aqui nos ares, por você. Você poderá abrir a porta de sua casa e não ter que esperar meses.

Estou com tanta vontade de você, de te ver logo. Minha alma se apressa. Tenta sair de mim, flutuando em uma brisa gelada. Sinto um imenso desconforto em minha barriga. E borboletas saem. Sei que borboletas também saem de você. E que elas se encontrem.

Por inveja, logo morrerão. Todo fôlego, toda a felicidade do ar, serão sugados, por nós. Nem que dure só cinco minutos.Porque um dia, todo mundo deve fazer uma loucura de amor e liberar borboletas.

http://www.youtube.com/watch?v=76Ew8limyCA

Amor raro

– Tudo o que o meu coração idiota quer é se estrepar na sua frente, em suas mãos. Nem me importo. Ele não pertence mais a mim. É seu. Pode parecer extremamente clichê, mas o dia fica mais bonito com você, e a madrugada então… Agora o que eu mais gosto de escutar é o meu telefone tocando. E saber que você está do outro lado linha. Meus lábios perto de seu ouvido. Farei o possível, prometo. Prometo que sua risada será minha música preferida. E seu colo, meu aconchego. Meu mundo fica sem graça , quando você, a cor que mais gosto, está longe. Que meus braços, possam te proteger sempre. Estou aqui por você. Com você. Te amo. E muito.

– Ai, tem vezes que tudo o que quero é que você exploda sabia?

– Mas Nanda, eu te amo.

– Eu sei, talvez se você não fosse tão doce, eu não enjoaria tanto. Fico perto de você temendo contrair diabetes. Teu beijo até engorda.

– Amor, não fale assim. A doçura do meu mundo com você só me faz te amar mais.

– Ta vendo? É disso que eu estou falando.

– Desculpe-me. É que eu te amo. Não posso evitar. Você não me ama, Nanda?

– Também te amo, às vezes…

– Às vezes?

– Sim. Sinto amor e ódio por você.

– E qual é mais raro?

– Ai querido, você sabe.

– Não. Nanda, qual é mais raro?

– O amor é raro. É para os raros. E essa curta raridade, faz com que em segundos, eu te ame mais do que você já me amou em toda sua vida.

– Ai Nanda, que lindo! Te amo!

– Para, que eu to te odiando agora.

Camila Roma

Thiago em Tiago

Se eu não estivesse com tanta preguiça, pegaria um copo d’água e jogaria no sol para apagá-lo. Está cedo, muito cedo. E talvez ainda tarde para fazer alguma coisa. Minha cama é a única que me quer. Quer-me bem. Quer-me jogado. O meu lençol abraça-me, não querendo deixar-me ir. Ai, travesseiro… pare de sussurrar essas coisas no meu ouvido.

Vou à cozinha, preciso de um café para acordar. O que aconteceu em minha casa? Está tudo quebrado. Como assim? Será que o meu sono foi tão pesado que teve uma festa aqui e nem percebi??? Nossa, faz tanto tempo em q eu não vou a uma festa…

Pesado foram os pés de quem entrou aqui. Rachaduras no chão. Vidros quebrados. Almofadas jogadas. Um bilhete: Thiago Carvalho, fique longe de Luiza. Escreveram meu nome errado, é Tiago. Escreveram minha história errada. Não sou o outro. Não sou ninguém. Não mais… E Luiza? Quem seria Luiza?

Já sei. Não é possível que isto esteja acontecendo de novo. Ele sempre faz isso. Sempre. Sempre charmoso, atrai todas as mulheres. E entre elas, provavelmente, Luiza.Pode parecer impossível, mas ele parece ser muito mais novo do que eu.Mesmo assim somos muito parecidos, e confundidos.

Cafajeste. Sei que eu o prendo, sufoco-o. Mas o lugar dele é aqui. Nascemos juntos. Pelo menos é o que algumas religiões acreditam. Têm atrativos a mais que eu, mais leve. E mais uma letra no nome. Thiago.

Thiago é minha alma. E não do jeito romântico da palavra. Já fomos uma coisa só. Mas ele se libertou de mim.  Está vagando por ai, vivendo. E eu aqui, preso ao chão, seco, morrendo. Thiago não está mais em mim, Tiago. Nunca, realmente, quis estar.

De você, nem o amor

Minhas mãos ateaim fogo, e esquentam cada parte de seu corpo. Tenho a terrível imagem do esmalte descascado de meus pés. Sentidos confusos e misturados. Olho pela janela, não sei se o que ilumina esse peso sobre meu corpo é a luz do sol, ou o brilho da lua, ou talvez uma fenda do inferno abrindo sob nós.

Esses resquícios de som que saem da tua boca devem estar querendo dizer algo. Não quero nem saber. Uma repulsa atrai-me a você. Espero que esse uísque seja forte. E possa queimar-me por dentro e arder você.

Se eu não estivesse tão entorpecida, teria forças para matar-lhe, e dessa vez, querido, não seria de amor. E continuo. Continuo porque quero esquentar mais. Ate chegar o ponto de poder incinerar esse seu sorriso bobo. A prepotência puxa um canto de seu lábio, e a ignorância, arrasta o outro.

Poderia ter sido doce, bonito. Mas você não o quis. Você não me quis. Como eu quis você. E agora quero. Quero você. Você acabado.

Não adianta querer fugir. Minhas pernas te entrelaçam e te prendem. Como eu sempre desejei. E que suas lágrimas, as mais amargas e frias, as mais dolorosas e arrependidas, possam apagar o resto de você em mim.

 

OBS.: É, essa história é pra você mesmo, f.d.p!

 

 

Estoy loca por ti, José

Faz-me mal. Já me disseram isto antes. Nada posso fazer. Ando cambaleando por ai, caindo dentro de mim, disputando espaço em meu corpo com ele. Tento desviar minha atenção, mas meus desejos são extremamente determinados. Sabem o que quer. Não hesito. Não fujo.

Enrolada em minhas pernas e braços. Quero-o com o seu gosto amargo. Com seu gosto de quero mais. Agora, não o vejo mais. Embaça-me os olhos. Deixa-os distraídos, para senti-lo mais. Minhas pernas, enfim, independentes.

Tira-me do meu próprio corpo. Tira-me do chão. Agora sou conduzida pela música. Danço. Danço até cair no chão. Até ele cair dentro de mim, novamente.

Rouba minha consciência. Deturpa meu juízo. Arrepia cada pêlo do meu corpo e choca qualquer olhar alheio. Além de minhas roupas, arranca-me as lembranças. Já não sei o que aconteceu ontem, só sei de uma coisa. Estoy loca por ti, José Cuervo.

http://www.youtube.com/watch?v=ev0M2eGJC7M&feature=related

Minha borboleta preferida

Sozinha no mundo. Andava por todos os cantos. Habitava em seu próprio corpo. Vestia-se de vento e se alimentava de todos os mares. Mas nenhum lugar estava pronto para ela. Nenhum lugar tinha gravidade o bastante para segurá-la.

Uma estrela cadente. Entrou em minha vida quando menos esperava. Todos se oferecem para fazer parte dela. Ela me aceitou, mas transformou-me em suvenir.

Logo ela estará descendo as escadas, sem malas e documentos. Jogará novamente seu corpo no mundo, e flutuará. Para meu desespero. Para felicitar a existência de minha saudade. Será o sol, da noite de outro alguém.

Absorve com tal intensidade a doçura das coisas, que rápido enjoa. Nem seus pés são presos ao seu corpo. Tenho medo que não me carregue, em seu coração. Quer ser leve. Uma borboleta. Minha borboleta preferida. Vive entre o chão e os ares.

Não sei se tenho medo de perdê-la, porque provavelmente nunca a ganhei. E ela já está indo. A cada passo que dá quilômetros a distanciam de mim. E ela vai, continua indo…

 

 

Para Hevelyne, com muito carinho:)

Sobre a falta

Estou com vontade de você, de fazer você, meu. Os seus braços, meu abraço. O seu corpo, meu cobertor. Sua boca, meu sorriso. E através de você, enxergar o céu mais bonito. Não precisamente mais azul, mas fazer o meu céu, o seu céu. E as nuvens, agora, meu chão.

Sentimentos confusos, eu sei. De certa forma, imprecisos. Mas os sinto. Estão aqui, fazendo cócegas em meu estômago.

Queria ser o seu dia, sua cor preferida. Que meu ombro seja seu consolo, e suas mãos, meu lar. Já sinto falta do dia que não aconteceu. Da chuva que não caiu. Do sol que não nasceu.

É sobre a falta. É sobre a falta que escrevo. A falta de mim, e falta de você. A saudade de mim com você. Nós. Juntinhos. Confunde-me a cabeça. Aquece-me o coração.

Talvez você não entenda nada. Mas o amor não foi feito para entender. Eternamente sem porquês. Somente sim, sim e sim.